Curitiba: Restaurante Velho Madalosso

Se tem um coisa que eu descobri com a nossa viagem a Curitiba é que nessa cidade as pessoas comem muito bem e sem pagar os preços exorbitantes do Rio.

Um dos locais que estavam na nossa lista para almoçar era o Velho Madalosso, em Santa Felicidade. Nós fomos a esse bairro só pra isso. Como o ônibus turístico passa por lá, acredito que estrategicamente, saímos da Ópera de Arame direto para lá. Afinal, já eram quase 16 horas, estava chovendo e apesar de termos feito um lanchinho na Ópera de Arame pensamos que não haveria problema.

Ao chegarmos em Santa Felicidade ficamos na dúvida entre o famosíssimo Maladosso ou o Velho Madalosso. Só que aquela estrutura gigante e imponente, que atende mais de 4 mil pessoas simultaneamente, não nos encheu os olhos. E como eu tinha lido no Blog Preciso Viajar que o Velho Maladosso era muito menos turístico foi esse que escolhemos.

Velho-Madalosso-2

Aluguel de carro

Foi nesse momento que descobri o meu erro. Eu tinha esquecido que eles funcionam numa espécie de rodízio. Não era para ter feito aquele lanchinho!!! E o arrependimento ia aumentando conforme o garçom ia colocando os itens na mesa. As comidas são muito gostosas. Valeu muito a pena ter descido em Santa Felicidade só para almoçar. Eu só achei o atendimento não muito simpático. Eles demoraram um pouco para pegar o pedido e arrumar a mesa, mas depois disso tudo ocorreu muito bem.

Tudo estava tão bom que eu queria sobremesa, mas não cabia.

Dica: vá com fome! Além dos itens acima o rodízio é de carnes e massas.

Que tal seguir a gente no Instagram tem muitas fotos rolando por lá!

Dados Financeiros:
2 rodízios + meia garrafa de vinho: R$ 125,00

Viagem realizada em Março de 2013.

LEIA MAIS:
Curitiba: Parque Tanguá
Curitiba: Universidade Livre do Meio Ambiente
Curitiba: Jardim Botânico

Posted in AMERICA DO SUL, CURITIBA, HOSPEDAGEM, PARANÁ and tagged , , , , , , , , .
Tatiane Dias

Tatiane Dias

A cada dia me desapego mais e mais de bens materiais. A vida nos mostra que mais importante que ter é viver. Por isso, cada brecha que temos já começo a pensar em algum lugar pra ir seja no Rio ou fora dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *